Pular para o conteúdo principal

Projeto oloduMatão

No mês de setembro de 2015, no quilombo de Matão, município de Gurinhém, começou a experiência de oloduMatão impulsionada por Silvia Brenna da Casa dos Sonhos e Alberto Banal da AACADE – Associação de apoio as comunidades afrodescendentes.

A escolha foi proporcionar uma aproximação a um gênero de música e dança afro característico do ambiente baiano, mas praticamente desconhecido e alheio a cultura musical e artística das comunidades quilombolas da Paraíba. Estamos falando do afoxé e do samba reggae.

Não tendo muitos recursos, além do precioso apoio da Associação italiana “UNITI PER LA VITA”, como é no nosso estilo, apelamos a imaginação e a boa vontade: os tambores nasceram de uma fantasiosa reutilização de baldes adequadamente afinados e o figurino foi costurado pelas mulheres da comunidade.

A identificação com a música baiana foi imediata já a partir da denominação do grupo “oloduMatão”, junção de “Olodum”, máxima expressão da percussão baiana, e o nome do mesmo quilombo “Matão”. Na realidade não se tratou somente de uma identificação semântica; com efeito o auto empoderamento do novo gênero musical e artístico surgiu quase como um espontâneo processo maiêutico de socrática memória.
As simples palavras de Leo Rufino, um dos primeiros integrantes de oloduMatão, são reveladoras da rapidez e da profundeza do processo de empoderamento: “A gente não conhecia não este gênero de música, mas desde os primeiros momentos, percebemos que isso fazia parte da nossa cultura afro, era como se estivéssemos descobrindo algo que já estava dentro de nós sem ter consciência disso. É uma sensação muito boa”.

Depois de pouco mais de quatro anos, oloduMatão é reconhecido como uma das novas expressões da cultura afro quilombola paraibana e continua a sua trajetória sob a supervisão do professor de percussão Alberto Lima e da professora de dança afro Luciana Peixoto.

Hoje oloduMatão é parte do projeto Escrilendo da Casa dos sonhos e da AACADE com o apoio do Ministério Público do Trabalho, Segunda Vara Campina Grande e de Uniti per la vita, Itália.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As fotos da festa da Conciência Negra

Festa da Consciência Negra no quilombo Matão/PB com a partecipação das Mulheres quilombolas do Matão, os grupos de percussão e dança afro oloduMataõ (quilombo Matão) e oloduMatias (quilombo Matias), a capoeira do quilombo Pera d’Água e o grupo Raízes. para ver a apresentação das fotos clicar na imagem

Festa da Consciência Negra no quilombo Matão

Festa da Consciência Negra no quilombo Matão/PB com a partecipação das Mulheres quilombolas do Matão, os grupos de percussão e dança afro oloduMataõ (quilombo Matão) e oloduMatias (quilombo Matias), a capoeira do quilombo Pera d’Água e o grupo Raízes. para assistir ao vídeo clicar na imagem

oloduMatão e oloduMatias no ato "fora Bolsonaro" no dia da Consciência Negra em Campina Grande

  Durante a campanha eleitoral de 2018 o candidato Jair Bolsonaro afirmou: “Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gasto com eles. Se eu chegar lá (na Presidência), não vai ter dinheiro pra ONG. Esses vagabundos vão ter que trabalhar. Pode ter certeza que se eu chegar lá, no que depender de mim, todo mundo terá uma arma de fogo em casa, não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola.”  Os jovens quilombolas sabem quem é o inimigo e a participação ao "Ato Fora Bolsonaro" em Campina Grande no dia da Consciência Negra é a resposta: nunca desistiremos da luta pelos direitos! para assistir ao vídeo clicar na imagem